quarta-feira, 30 de setembro de 2009

FUTEBOL:LIGA DOS CAMPEÕES JOGOS REALIZADOS QUARTA FEIRA PARA A SEGUNDA JORNADA

RONALDO E KAKA COMEMORAM UM DOS GOLOS DA VITÓRIA 3-0
FC Porto vence na recepção ao A. Madrid (2-0)
O FC Porto derrotou o At. Madrid, por 2-0, somando os primeiros pontos na presente edição da Liga dos Campeões. E até somou a primeira vitória, em casa, sobre equipas espanholas nos últimos dez anos. Falcao (75 m) e Rolando (81 m) apontaram os tentos que valeram o triunfo aos «azuis-e-brancos». Depois da derrota em Londres, diante do Chelsea, os «azuis-e-brancos» voltaram à competição milionária diante adversário que tinham eliminado na edição passada da prova, então nos oitavos-de-final. Porém, o Atlético, com Simão e Paulo Assunção a titulares (e sempre muito assobiados pelo público do Dragão), voltou a dar pálida imagem, ainda que até aos 75 minutos tenha conseguido manter o nulo do marcador e até tenha tido boas oportunidades.Verdade, também, dizer que o FC Porto esteve longe de «encher o olho». Até começou por ameaçar, mas os quatro «centrais» com que os colchoneros se apresentaram formaram forte muralha, que nem a substituição forçada de guarda-redes, por lesão, parecia derrubar. Excepção feita, ainda que na ilegadidade, aos 42 minutos, quando Mariano Gonzalez colocou a bola no fundo da baliza, já com o árbitro-assistente com a bandeira no alto.Na segunda parte, o ritmo baixou muito. E só alterou quando Jesualdo Ferreira «mexeu», lançando Guarín por Tomás Costa (o substituto de Fernando). Foi o primeiro toque para a vitória...O outro veio de Falcao, e logo de calcanhar. Após insistência de Hulk, o colombiano surge na zona de finalização a tocar subtil para a baliza, lembrando inevitavelmente Madjer. A muralha do Atlético desmoronou-se e não demorou muito para o FC Porto aumentar a vantagem, desta feita por Rolando, numa recarga a cabeceamento de Bruno Alves devolvido pelo poste direito da baliza contrária.
No outro jogo, jogando longe de Stamford Bridge, o Chelsea, desfalcado de Drogba, Bosingwa, Ballack e Obi Mikel, não teve muita dificuldade para vencer (1-0) o Apoel, do Chipre. Ainda que o resultado tenha sido magro, a posse de bola foi maciçamente do time inglês, que contou com Joe Cole, que voltou recentemente aos gramados após nove meses lesionado por uma ruptura do ligamento cruzado.

Carrick garante vitória do Manchester no Grupo B
O Manchester United, com Nani no «banco», sentiu, esta noite, alguns problemas para garantir a vitória sobre o Wolfsburgo, com Ricardo Costa no «onze», (2-1), em jogo da segunda jornada do Grupo B da Liga dos Campeões.O Wolfsburgo chegou mesmo a estar vantagem, fruto do golo de Dzeko, aos 56 minutos, mas o Manchester reagiu quase imediatamente e três minutos depois empatou por intermédio do experiente Giggs. Aos 78 minutos, o internacional inglês Michael Carrick selou a reviravolta no marcador e assegurou a vitória da sua equipa.
No outro jogo o CSKA não teve dificuldades sem vencer e, com um golo em cada tempo, venceu o Besiktas, por 2 a 1, nesta quarta-feira, pela segunda jornada do Grupo B da Liga dos Campeões. Mas nas arquibancadas do Estádio Luzhniki, em Moscou, uma cena rara na maior competição de clubes do mundo: apenas 18.100 das 78.360 cadeiras estavam ocupadas. E o frio não estava tão rigoroso para os padrões da cidade russa: 6º C. Alan Dzagoev e Krasic marcaram para os da casa, com Ekrem Dag para a equipa turca.

Cristiano Ronaldo bisa na vitória do Real Madrid (3-0) no Grupo C
O internacional português foi a principal figura na vitória do Real Madrid sobre o Marselha (3-0), com Lucho na equipa, ao apontar dois três golos e ao sofrer a grande penalidade que originou outro golo. Após, este resultado, os «merengues» cimentam o primeiro lugar no Grupo C da Liga dos Campeões.Depois de uma primeira parte sem golos, o Real inaugurou o marcador aos 58 minutos, Pepe assistiu Cristiano Ronaldo e o jogador português, de pé esquerdo, chegou ao golo. Aos 61 minutos, o internacional português sofreu uma falta na área, provocou a expulsão de Diawara e Kaká aproveitou para converter a grande penalidade. Aos 65 minutos, Cristiano Ronaldo recebeu o passe de Benzema, na área, e estabeleceu o resultado final de 3-0.
Na outra partida do Grupo C, O Zurique provocou a surpresa ao ir vencer ao campo do AC Milan, claramente em crise, por 1-0, golo de Tihinen, de calcanhar, após um canto, logo aos 10 minutos.
Apenas o 11º colocado no Campeonato Italiano, o Milan estendeu sua crise à Liga dos Campeões. Jogando em casa nesta quarta-feira, no estádio San Siro, o time do técnico Leonardo perdeu para o modesto FC Zurich por 1 a 0, golo de Tihinen, de letra. Com o resultado, a equipe italiana viu o Real Madrid derrotar o Olympique de Marselha por 3-0, ficar isolado na liderança do Grupo C, com seis pontos. O Milan soma três, ao lado do Zurich. Os marselheses ainda não pontuaram. Ronaldinho Gaúcho, uma vez mais, começou o jogo no banco de reservas. Seedorf foi o responsável por fazer a armação de jogadas para a dupla de ataque formada por Pato e Inzaghi. O Zurich, que perdeu em casa para o Real Madrid por 5 a 2 em sua estreia na Liga, não tomou conhecimento do gigante italiano e abriu o marcador logo aos 10 minutos. Após o canto na direita, Tihinen tocou de letra e fez 1 a 0 para os visitantes.
ABOLA.PT/GLOBOESPORTE.COM

PORTUGAL/PALOP:A DÍVIDA DOS PAÍSES AFRICANOS LUSÓFANOS A PORTUGAL CRESCEU 10,7%

BANCO DE PORTUGAL:A dívida dos países africanos lu­sófonos a Portugal cresceu 10,7%

em 2008 relativamente ao ano anterior, situando-se nos 1.967 milhões de dólares, revela ainda o Banco de Portugal.

LISBOA-Na sua análise anual à evolução das economias dos Países Africa­nos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, o Banco de Portugal revela que o cresci­mento da dívida dos seis países em 191 milhões de dólares (cerca de 130 milhões de euros) ficou a dever-se ao crescimento da dívida de médio e longo prazos garanti­da pelo estado - mais 171 milhões de dólares (cerca de 117 milhões de euros).
Em 2008, a dívida directa de Moçambique a Portugal situou-se nos 393 milhões de dólares (269 milhões de euros) devido à con­solidação resultante do acordo de reestruturação e cancelamen­to progressivo da dívida assinado com Portugal em Julho de 2008, segundo o qual o estado portu­guês comprometeu-se a cancelar os montantes devidos até 2025.
A dívida directa ao estado au­mentou 20 milhões de dólares (13 milhões de euros), “uma ex­pansão de algum relevo”, segun­do o Banco de Portugal.
A dívida de Angola, que cres­ceu 187 milhões de dólares (128 milhões de euros) no ano pas­sado, continua “a ser a principal responsável pela subida eviden­ciada pelo conjunto dos PALOP” e resulta principalmente do crescimento dos empréstimos de médio e longo prazos garantidos pelo estado.
Ainda em relação a Angola, a dívida directa vincenda mantém o mesmo valor desde 2004 como resultado do período de carên­cia, negociado com Portugal até 2009.
OPAIS.SAPO.MZ

Pássaros 'atacam' avião na Alemanha

DUSSELDORF-Parece uma cena de um filme de Hitchcock e é, na verdade, assustador. Um grande grupo de pássaros parece "atacar" um avião da Germania Airlines que decola do aeroporto de Dusseldorf, na Alemanha, com 80 pessoas a bordo, rumo a Kosovo. Na foto dá para ver manchas de sangue na fuselagem e na entrada da turbina direita da aeronave. Acredita-se que dezenas de aves tenham sido sugadas pela turbina, o que colocou seriamente o avião sob risco de queda ao atingir cerca de 360 quilômetros por hora.
O piloto reportou danos no motor à torre de controle e aterrissou com segurança 45 minutos depois de voar em círculos.
Um "ataque" similiar forçou a aterrissagem forçada de um avião no Rio Hudson (EUA) em janeiro deste ano: todos os 115 passageiros sobreviveram e o piloto virou herói nacional.
GLOBO.COM-Por por Fernando Moreira

TENIS:Pennetta põe tudo a nu

A italiana Flávia Pennetta, actual número 10 do ranking WTA, falou abertamente sobre sexo e drogas, admitindo o envolvimento “com três ou quatro tenistas” e que “o consumo de cocaína não deveria ser considerado doping”.
Em entrevista ao programa Lelene Show, da TV italiana, Pennetta, assumiu que durante a relação com o espanhol Carlos Moya não se abstinham de ter relações sexuais durante os torneios."Durante o circuito, dividíamos quartos em hotéis e não praticávamos a abstinência, mas sim o sexo livre", contou,
Sem preconceitos, Pennetta acrescentou ainda que da sua lista de conquistas fazem parte mais “três ou quatro tenistas”, com quem teve sexo em locais como os courts de relva, balneários e mesmo num avião. Se agora pudesse, Penetta escolheria o russo Marat Safin “para uma rapidinha”.
Ainda no mesmo tema, fez questão de confidenciar que há homossexualidade do ténis feminino, mas que nunca foi abordada por nenhuma colega.
Sobre o uso de cocaína, a italiana disse, que na sua opinião, “não deveria ser considerado doping, pois quem consome fá-lo por diversão”.
Flávia Pennetta venceu, em 2008, a final de pares feminino, ao lado da russa Maria Kirilenko, do Estoril Open.
SAPO.PT-Por Inês Henrique

ESPANHA:Cinco brasileiros detidos por falsificarem documentos de identidade portugueses

DOCUMENTOS PORTUGUESES FALSOS EM ESPANHA
MADRID-A Polícia Nacional espanhola deteve cinco cidadãos brasileiros envolvidos numa rede de falsificação de documentos de identidade portugueses, que vendiam a imigrantes ilegais a residir em Espanha.
Fonte policial disse à Lusa que a rede cobrava entre 150 e 300 euros pelos bilhetes de identidade, passaportes e cartas de condução que os imigrantes usavam depois para se regularizar em Espanha, como cidadãos europeus.
Os encontros com os clientes eram organizados através da Internet e a rede já funcionava há vários meses, usando métodos de operações idênticas detectadas com outros falsificadores e documentos portugueses. A rede captava imigrantes em situação irregular em Espanha a quem auxiliavam no processo de regularização. Foi detectada em Junho quando a polícia descobriu erros na identificação de um dos imigrantes.
A fonte policial destacou a dificuldade de identificar e encontrar os membros da rede que usavam nomes de código e de quem só havia algumas descrições da aparência física. Os bilhetes de identidade portugueses eram fabricados em Madrid e os passaportes vinham directamente do Brasil, a pedido específico dos clientes. Nas rusgas efectuadas numa das casas dos detidos foi encontrado material tecnologicamente avançado, documentos falsos e outros em fase de produção. Os detidos estão acusados de crimes de associação ilícita contra os direitos dos cidadãos estrangeiros em Espanha e falsificação de documentos. A operação foi levada a cabo pelo Serviço Central de Falsificações Documentais da Polícia Nacional em Madrid.
Lusa.pt

SOCIEDADE:Os melhores e os piores amantes

AMANTES LATINOS SÃO OS MELHORES
LONDRES-O "cliché" do bom amante latino parece confirmar-se numa sondagem feita em Inglaterra. Os piores amantes vivem em países mais frios.
Os alemães foram eleitos como "os piores amantes do Mundo", de acordo com uma sondagem realizado pelo site "OnePoll.com", baseado em Inglaterra. "Cheiram muito mal", foi o veredicto que resultou do inquérito "realizado junto de mulheres de mais de 20 países".
Santos da casa não fazem milagres... pelo menos na cama, conclui, ainda, a sondagem realizada pelo site britânico. Os ingleses são "muito malandros" a fazer amor, por isso levam a medalha de prata entre os piores. O pódio dos amantes menos desejáveis é fechado com os suecos, dizem elas, autênticos "pepe-rápidos" do acto sexual.
No topo dos que fazem sonhar as mulheres estão os latinos:
os de origem, italianos, terceiro lugar, e espanhóis, em primeiro, e os de ascendência e mescla africana, os brasileiros, medalha de prata na arte de fazer amor.
Dos portugueses não constam registos na sondagem. Se é tranquilizador não aparecer entre os piores 10 amantes do Mundo, o orgulho macho português pode até ficar melindrado em ver espanhóis e italianos a subir na bolsa de amantes "calientes".
De Espanha nem bom vento nem bom casamento, diz o ditado, mas, num Mundo em que a publicidade é argumento, talvez esta seja uma das situações em que não é mau de todo ser confundido com um espanhol, como é frequente, por exemplo, nos EUA.
Aliás, neste "estudo", só os irlandeses, sem especificar se da República ou do Norte, se safam (5º lugar entre os melhores) entre os britânicos: No país de Gales (7ºs entre os piores), os homens são "muito egoístas" e na Escócia (8º piores), os amantes "são muito barulhentos", num top 10 dos piores fechado pelos russos "peludos".
Para aduzir mais tensão à rivalidade entre americanos e canadianos, os primeiros, dos EUA, entram na lista dos piores, enquanto o vizinho de cima fecha o top 10 dos melhores. Uma lista de bons amantes que dão a volta ao Mundo, das Américas a África (do Sul), passando pela Europa e pelos Antípodas, com australianos e neozelandeses a aumentarem a histórica rivalidade com um 7º e 8º lugares, respectivamente, entre os bons amantes do Mundo.

Eis a lista piores amantes do Mundo:
1-Alemanha, cheiram mal.
2-Inglaterra, muito preguiçosos.
3-Suécia, muito rápidos.
4-Holanda, demasiado dominadores.
5-EUa, demasiado brutos.
6-Grécia, demasiado dramáticos.
7-País de Gales, muito egoístas.
8-Escócia, demasiado barulhentos.
9-Turquia, demasiado doces.
10-Rússia, muito peludos.

E os melhores são:
1.Espanha.
2.Brasil.
3.Itália.
4.França.
5.Irlanda.
6.África do Sul.
7.Austrália.
8.Nova Zealândia.
9.Dinamarca.
10.Canadá.

JN.SAPO.PT

F1:Alonso na Ferrari a partir de 2010

A Ferrari anunciou no site oficial ter chegado a acordo – válido por três épocas - com o piloto espanhol Fernando Alonso, que entrará em vigor a partir de 2010.
Assim, a escuderia italiana será composta por Felipe Massa, Alonso. Já o italiano Giancarlo Fisichella ficará como piloto de reserva.
O finlandês Kimi Raikkonen irá deixar o monolugar da formação italiana no final da época, naquela que foi «uma relação frutuosa», de acordo com o comunicado, que salienta os feitos do piloto: campeão do Mundo em 2007 e contribuição decisiva para o título de construtores no mesmo ano e em 2008.«Estamos muito contentes por acolher na nossa equipa um piloto campeão, cuja qualidade é demonstrada pelos dois títulos que já alcançou na sua carreira.
O Fernando tem uma personalidade extraordinária e faremos tudo para colocar à sua disposição uma viatura competitiva», sublinhou Stefano Domenicali, director desportivo da Ferrari.
Raikkonen também comentou a saída da escuderia transalpina, afirmando que o contrato, que só expirava em 2011, será terminado com mútuo acordo, mas é com alguma mágoa que sai. «Custa-me muito deixar esta grande equipa, na qual passei três anos fantásticos e repletos de vitórias», destacou.
ABOLA.PT

CV:FMI elogia desempenho económico e gestão macroeconómica de Cabo Verde

NILS MAEHLE(FOTO)-FMI EM CABO VERDE
PRAIA-O Fundo Monetário Internacional (FMI) elogiou hoje o desempenho e a gestão macroeconómica do governo de Cabo Verde, sublinhando que o arquipélago tem atravessado a crise económica mundial "a partir de uma posição de força".
Os elogios foram feitos por Nils Maehle, chefe da delegação do FMI que terminou hoje as reuniões da 7.ª Revisão do Instrumento de Apoio às Políticas Económicas com o Ministério das Finanças cabo-verdiano, liderado por Cristina Duarte.
Numa conferência de imprensa conjunta, Nils Maehle elogiou não só as medidas tomadas pelo executivo cabo-verdiano, como também perspectivou como "positivas" as que estão em curso e futuras, mesmo tendo em conta que o défice público, provocado pelo ambicioso projecto de investimentos, se situe, em 2010, nos 11,8%.
"O desempenho da economia e da gestão macroeconómica de Cabo Verde mantém-se forte. O país tem atravessado a crise económica mundial a partir de uma posição de força", sublinhou o economista norueguês.
Segundo Nils Maehle, as políticas macroeconómicas "prudentes" do passado recente permitiram "construir bons amortecedores económicos", na forma de reservas internacionais e de uma baixa dívida interna.
O crescimento, acrescentou, "desacelerou moderadamente", o que se reflecte num abrandamento do turismo e do investimento directo estrangeiro, embora "haja já sinais visíveis de recuperação".
Por outro lado, o investimento directo estrangeiro "estabilizou", mas foram retomados vários projectos de investimento privados, pelo que, perspectivou, a recuperação económica de Cabo Verde vai continuar em 2010, "embora de forma moderada", dado que a economia mundial "continua frágil".
A inflação, que em 2009 variará entre um por cento e 1,9%, deverá manter-se baixa em 2010, subindo, porém, para os três por cento, graças a uma previsão de boas colheitas e aos baixos preços da importação de alimentos e combustíveis.
As reservas internacionais "decresceram ligeiramente" no primeiro semestre de 2009, mas, sublinhou Nils Maehle, "espera-se que se mantenham os níveis sólidos", em parte devido à recente atribuição de Direitos Especiais de Saque (SDR) pelo FMI e à previsão de novos empréstimos externos.
"O governo está a utilizar o seu espaço de gestão macroeconómica e a disponibilidade de financiamento externo para acelerar o seu programa de investimentos e aumentar os gastos sociais, criando, deste modo, uma resposta anti-cíclica aos choques mundiais", relevou o economista do FMI.
A manutenção dos gastos sociais é, no entender de Nils Maehle, "bem vinda", tendo em conta que a crise mundial "atinge sempre com maior intensidade" as camadas mais pobres da população.
O FMI elogiou também a forma "apropriada" como o governo cabo-verdiano está a orientar o programa de investimento público para eliminar os principais problemas estruturais - "contribuindo para o crescimento potencial da economia a longo prazo" -, bem como a gestão monetária com vista à estabilização dos fluxos de capitais.
A sétima revisão do Instrumento de Apoio às Políticas Económicas foi a penúltima antes da reunião final, marcada para Março de 2010, em que termina o programa de três anos, iniciado em 2006 e renovado por mais um ano em Junho último, com vista à negociação de idêntico projecto para o triénio 2010/12.
OJE/LUSA.PT

ANGOLA:Angola liberaliza sector da refinação de petróleo


LUANDA-O Conselho de Ministros angolano aprovou hoje a liberalização do sector da refinação de petróleo, abrindo as portas a um mercado que actualmente é exclusivo da petrolífera Sonangol, que gere a única refinaria do país, a norte de Luanda.
O Conselho de Ministros, segundo um comunicado divulgado pela imprensa estatal angolana, definiu ainda a liberalização, também no sector dos petróleos, do armazenamento, transporte e distribuição, áreas igualmente controladas pela Sonangol, embora na distribuição a operadora angolana tenha como sócia a portuguesa Galp, na Sonangalp.
Esta decisão surge quando o Estado angolano se prepara para arrancar, em 2012, com uma segunda refinaria no país, situada na província de Benguela, Lobito, com um investimento estimado em cerca de oito mil milhões de dólares.
Para o Zaire, na região do Soyo, está prevista uma terceira refinaria, embora sem calendário para a sua construção.
A actual refinaria de Luanda tem capacidade para refinar 35 mil barris de petróleo por dia, muito abaixo das necessidades do mercado, levando a que o país importe cerca de 90 por cento dos combustíveis refinados que consome.
Cada uma das duas unidades que estão previstas para Benguela e Zaire deverá ter capacidade para cerca de 200 mil barris/dia.
Angola é actualmente o maior produtor de petróleo africano a sul do Saara, com potencial de produção de dois milhões de barris/dia, embora as quotas impostas pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) levem a que esta produção se confine a cerca de 1,7 milhões.
OJE/LUSA.PT

CV:A PESADA HERANÇA DE JOSÉ MARIA NEVES E DO SEU PAICV-Por Benvindo Rodrigues I

PESADA HERANÇA DE JOSÉ MARIA NEVES E DO SEU PAICV-I

Aos olhos dos cabo-verdianos e cabo-verdianas, que sentiram os efeitos nefastos das políticas do PAICV, esse balanço é altamente deficitário: o poder de compra diminuiu, fruto do aumento de preços dos bens e serviços básicos, o crescimento abrandou, o desemprego aumentou, as oportunidades de negócios e de investimentos tornaram-se escassas, a educação e a saúde tornaram-se mais caras e os cabo-verdianos têm medo de falar da política, porque serão marginalizados em termos de acesso ao emprego público, à habitação e aos outros bens e serviços sociais, por um poder instalado, avesso a opiniões contrárias e que promove a corrupção, o clientelismo e a protecção dos que lhe são fiéis. É para dar continuidade a esta transformação que JMN e o PAICV pretendem novo mandato de 5 anos em 2011?
É inaceitável que José Maria Neves (JMN) tente enganar mais uma vez os cabo-verdianos. A apresentação em 12-09-2009 da moção de estratégia com que se recandidata à liderança do PAICV não passa de um discurso balofo, desgastado e repetitivo baseado num falso pressuposto, o de que os resultados da governação do seu partido durante os últimos 9 anos e as novas promessas justificam a atribuição ao PAICV de um novo mandato de 5 anos em 2011.Para o povo de Cabo Verde, dentro e fora do País, este discurso não é novo. A sensação de que não traduz o que realmente se passa no nosso País e de já o ter visto e ouvido leva o povo de Cabo Verde a “torcer o nariz”. Todos sabemos que os governos do PAICV não acertaram em várias frentes.
1. CRESCIMENTO ECONÓMICO
Prometeu, JMN, durante os últimos 9 anos um crescimento económico sustentado. Chegou a falar de um crescimento da ordem dos dois dígitos. Ora, o que tivemos, desde que o PAICV re-assumiu o controlo da governação em 2001, foi uma desaceleração acentuada do ritmo de actividade económica, que, em 2000, era de 7.3% e, em 2010 se estima que seja de uns míseros 3.5%. Convenhamos que isso não é, seguramente, um resultado de que se devam orgulhar os cabo-verdianos, pois entre os 12% de crescimento que o país atingiu em 1999 e os 3.5% esperados em 2010, há uma enorme diferença e JMN não pode fechar os olhos e fingir que não tem nada a ver com isso.
O potencial de crescimento da economia de Cabo Verde não merecia ter essa inversão e JMN, mais do que ninguém, tem de ser responsabilizado por isso.
O PAICV e o seu líder propagandeiam um potencial de crescimento e de transformação de Cabo Verde que não conseguiram concretizar na prática.
É com base nesse potencial que não souberam explorar nos últimos 9 anos que querem, pela terceira vez, renovar o mandato do PAICV em 2011.
Oferecem aos menos avisados mais uma promessa, mais um canto da sereia. Quer-se transformar para melhor e não para o pior e, como se costuma dizer em bom crioulo de Santiago, ki ta anda pa trás é kutú bem-bem.
A restauração do crescimento económico e da confiança, de que falou JMN na moção de apresentação da sua re-candidatura, não se tendo verificado durante a sua governação evidenciam um líder dessintonizado com aquilo que foi a década de noventa.
Esta foi considerada a década de ouro de Cabo Verde, que nela conheceu taxas de crescimento jamais vistas, redução substancial do desemprego, acesso acrescido aos serviços de energia, água, telecomunicações, saneamento, educação, saúde, etc. e foi também nela que a população passou a expressar-se livremente, que foram estabelecidos os alicerces de um estado democrático, ao ponto do antigo presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, ter considerado em 1999, Cabo Verde, como sendo o farol da democracia em África.
JMN fez um discurso para os seus apoiantes, incompatível com as reais preocupações que afligem os cidadãos e as empresas cabo-verdianas. É que a estratégia de JMN está, toda ela, estribada numa ideologia socializante, no nivelamento por baixo, na engorda dos cofres do Estado à custa de contribuintes, num esforço de comparação dos poucos resultados alcançados por Cabo Verde com os dos países africanos que estão no fundo do poço. Quem esteve atento aos níveis de crescimento atingidos por Cabo Verde nas duas décadas (a de noventa e a actual), só pode concluir que se trata de uma brincadeira de mau gosto de JMN.
In Liberal.sapo.cv-Por Benvindo Rodrigues(Foto)

CV:A PESADA HERANÇA DE JOSÉ MARIA NEVES E DO SEU PAICV II-Por Benvindo Rodrigues

Fonte: BM/INE-A quebra significativa de crescimento económico durante a década JMN teve consequências nefastas para o bem estar e a prosperidade dos cabo-verdianos e das cabo-verdianas em vários domínios, dos quais destacamos, neste pequeno artigo, apenas o desemprego, a pobreza, a exclusão social e os serviços básicos.
PARTE II-POR BENVINDO RODRIGUES

2. DESEMPREGO
O PAICV fez aumentar a taxa de desemprego, em termos médios, de 20% em 2000 para 28% (estimativa) em 2010, atingindo, sobretudo os jovens (45% da população activa), as mulheres e o meio rural. Lembremo-nos que foram eliminados mais de 15.000 postos directos de trabalho nas FAIMO, 4.000 nas antigas empresas francas, 650 na antiga EMPA, 70 na INTERBASE e 1.500 nos hotéis no Sal e no resto de Cabo Verde, num país onde a população activa cresce a um ritmo superior a 3% ao ano, colocando no mercado de trabalho, anualmente, milhares de jovens à procura do primeiro emprego, a que só uma economia, em crescimento vigoroso e suportado por um forte tecido empresarial, poderá dar respostas. Em vez de explicitar políticas geradoras de emprego para essa camada, vem o JMN com a promessa de institucionalizar o 13º mês para os funcionários públicos! O povo de Cabo Verde não quer esse tipo de transformação!

3. POBREZA
Quem acompanha com atenção e compreende as diferentes dimensões do fenómeno da pobreza no mundo em geral, e em Cabo Verde, em particular, sabe que os dados apresentados em 2009, pelo nosso Instituto Nacional de Estatística (INE), segundo os quais, a taxa de pobreza baixou em 10 pontos percentuais entre, 2001 e 2007, não traduzem a situação de Cabo Verde e foi uma pena não se terem visto, até agora, os entendidos na matéria, a comunicação social, os partidos políticos na oposição e outras entidades, a desmontarem tais dados, sabendo que o próprio Banco Mundial e outros parceiros de Cabo Verde, colocaram sérias reservas à metodologia utilizada para o cálculo do novo limiar da pobreza em 2007. Vejamos as principais diferenças de métodos utilizados no IDRF 2001/2002 e QUIBB 2007, sublinhadas pelo próprio INE:
IDRF 2001/2002
• UM AGREGADO É OBSERVADO DURANTE 15 DIAS CONSECUTIVOS PARA DESPESAS ALIMENTARES E DIARIAS
• DESPESAS NÃO ALIMENTARES RECOLHIDAS DE MODO RETROSPECTIVO
A RECOLHA FOI DURANTE O PERIODO DE UM ANO
QUIBB 2007
• PASSAGEM UNICA
A RECOLHA FOI DURANTE O PERIODO 22 NOVEMBRO A 30 DEZEMBRO
• TODOS OS DADOS RECOLHIDOS DE FORMA RETROSPECTIVA, SENDO OS CONSUMOS ALIMENTARES, OS NOS ULTIMOS 30 DIAS(1).
Face a esses dois métodos utilizados em 2001/2002 e 2007, não é preciso ser um grande especialista em matéria de economia de desenvolvimento e/ou em ciências estatísticas/econométricas, para se constatar a maior tecnicidade subjacente ao IDRF, comparado com o QUIBB, só pelo facto dos 12 meses dispendidos na observação da amostra em 2001/2002, contra 1 mês em 2007, de um agregado familiar observado durante 15 dias em 2001/2002, contra uma única vez em 2007. Ao IDRF 2001/2002 foram adicionados os dados do censo 2000 e, a partir dessa base, definidas a incidência, a intensidade e a profundidade da pobreza, assim como o índice de desigualdade, no acesso aos rendimentos, comummente conhecido por coeficiente Gini, coisas que o QUIBB 2007 não fez com aquela objectividade exigida.
Não se apresentou uma carta de pobreza não monetária, sabendo que este fenómeno tem outras dimensões a ele associadas (social, cultural e política), recorrentemente exigidas aos governos pelos parceiros de cooperação, na definição do limiar da pobreza, que não podiam e, não deviam escapar a uma instituição como o INE, que deve pautar a sua actuação pelos princípios de imparcialidade, objectividade e transparência. Daí, a necessidade de se ser muito cauteloso na comparação de variáveis calculadas com base em métodos diferentes. Este é o mínimo que se pode exigir do INE!
Aliás, a um observador atento isso não espanta, pois na sua presidência, foi colocado alguém próximo do partido do poder e o Conselho Nacional de Estatística é presidido por um alto dirigente do PAICV, nomeado há mais de 1 ano, e que lá nunca pôs os pés, apesar de estar a receber mensalmente os seus ordenados. É pois preciso dar combate à manipulação de dados e de pessoas, outra das facetas da tal transformação de Cabo Verde protagonizada pelos governos do PAICV!


4. EXCLUSÃO SOCIAL
JMN devia explicar, na sua moção de estratégia, porquê é que há, a partir de 2001, cada vez mais crianças de/e nas cidades e vilas de Cabo Verde a trabalhar, prática condenada pela UNICEF e OIT, mas recorrente e crescente no nosso país, precisamente por causa da desestruturação das famílias, sem que os seus dois governos fossem capazes de conceber e executar políticas públicas eficazes de combate a esse fenómeno social degradante.
JMN devia explicar o crescente número de crimes (roubos e assaltos) e a violência a eles associada. JMN devia explicar a sobrelotação de reclusos em cadeias a arrebentar pelas costuras.
JMN devia explicar porque se regista entre a juventude a proliferação de consumidores e vendedores de droga, o aumento descontrolado do consumo de bebidas alcoólicas e da prostituição.
JMN devia explicar por que razão existem velhos sem e/ou com deficiente protecção social.
JMN devia explicar porquê é que, a nível de todo o país, 3.000 alunos deixaram de matricular-se nos vários níveis de estabelecimento de ensino. Seguramente, não é por não quererem e, de certeza, que os pais e encarregados de educação desses alunos não merecem esse tipo de transformação!
JMN devia explicar como pretendem, o PAICV e os seus governos, eliminar estes indicadores da sociedade cabo-verdiana.


5. SERVIÇOS BÁSICOS
O acesso permanente, de qualidade, generalizado e a um custo justo para as famílias cabo-verdianas, aos serviços básicos de educação, saúde, protecção social, água, energia, saneamento, devia ser, em 2010, meta cumprida pelo PAICV, após 10 anos de governação, pois prometeu-as e consagrou-as nos seus programas, mas as poucas políticas a ela direccionadas ainda não surtiram efeito.
Após 10 anos de exercício do poder, JMN não pode repetir as mesmas promessas e dizer que estes são novos desafios!


6. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Continuamos com uma administração pública opaca, dispendiosa, ineficaz, ineficiente, virada para si própria, centralizadora e bloqueadora do desenvolvimento do sector privado, com a ausência de uma cultura de consulta e de participação e de responsabilização, centrada na concepção de que a importância e força de um ministério depende da multiplicidade de serviços e de uma estrutura absolutamente piramidal, com deficientes garantias de defesa do cidadão perante a Administração, com o culto do formalismo, da rotina e dos procedimentos, em detrimento dos resultados e com a ausência de mecanismos de audição, inspecção efectiva e controlo e prestação de contas (responsabilidade pela gestão). Este tipo de transformação também não é algo de que os cabo-verdianos devam orgulhar-se!
Um líder de um partido político e os dois governos por ele conduzidos durante 10 anos que falharam em todas essas 6 frentes (falaremos doutras numa próxima oportunidade), não têm moral para fazer as mesmas promessas de 2000 e 2005. Agora é tempo de balanço da execução das promessas dessa altura e não de as repetir fingindo que são novas.
Aos olhos dos cabo-verdianos e cabo-verdianas, que sentiram os efeitos nefastos das políticas do PAICV, esse balanço é altamente deficitário: o poder de compra diminuiu, fruto do aumento de preços dos bens e serviços básicos, o crescimento abrandou, o desemprego aumentou, as oportunidades de negócios e de investimentos tornaram-se escassas, a educação e a saúde tornaram-se mais caras e os cabo-verdianos têm medo de falar da política, porque serão marginalizados em termos de acesso ao emprego público, à habitação e aos outros bens e serviços sociais, por um poder instalado, avesso a opiniões contrárias e que promove a corrupção, o clientelismo e a protecção dos que lhe são fiéis. É para dar continuidade a esta transformação que JMN e o PAICV pretendem novo mandato de 5 anos em 2011?
Benvindo Rodrigues - Consultor Internacional
(1) Fonte: RESULTADOS DO QUIBB 2007, INE, 2009
In Liberal.sapo.cv-Por Benvindo Rodrigues

ANGOLA:Investimento nacional superou o estrangeiro

AGUINALDO JAIME-AGÊNCIA DE INVESTIMENTO PRIVADO-ANIP

LUANDA-O investimento privado dos empresários nacionais conheceu um incremento favorável face ao investimento estrangeiro nos últimos meses, representando mais de 50 por cento do valor já aprovado, segundo o presidente da Agência de Investimento Privado (ANIP), Aguinaldo Jaime, que falava numa palestra sobre “Contributo do Investimento Privado para o Desenvolvimento Sustentável – Papel da ANIP”.
Aguinaldo Jaime considerou que este é um factor que indicia a crescente confiança dos angolanos e dos estrangeiros residentes no futuro económico do país.
Relativamente às propostas de investimento privado, a agência aprovou no final de Julho do ano em curso, 268 propostas de investimentos avaliados em cerca de mil milhões de dólares, perdendo apenas em cerca de 12 por cento face ao período homólogo do ano passado. Do total de propostas de investimentos aprovados, o investimento nacional representa mais de 50 por cento do valor.
O presidente da Agencia de Investimento Privado sustentou que a diferença de valor deste ano face as do ano passado está a ser alimentada pela retracção do investimento privado oriundo da União Europeia e Estados Unidos, duas áreas fortemente afectadas pela crise, lembrando que apesar disso, subiu o investimento com origem em África, Ásia, na América Central e na América do Sul.
Das propostas aprovadas, a Agricultura lidera a lista de preferência no processo de investimento nacional, seguido da indústria transformadora, um factor que para já constitui uma mola impulsionadora para a criação de condições para a segurança alimentar.
No que toca às regiões de preferência e distribuição dos investimentos, a província de Malanje aparece em primeiro lugar, seguida de Luanda, Bengo, Cabinda e Benguela.
Na óptica de Aguinaldo Jaime, este comportamento dos investidores revela que começam a compreender que Luanda não é o único destino possível para investir. “Isto pode determinar o fim das assimetrias regionais, levando a que o país se desenvolva harmoniosamente e como um todo”, referiu.
Em torno do desenvolvimento sustentável, referiu que está baseado no respeito pelo meio ambiente e na exploração racional dos recursos que existem no solo, subsolo, mar e nos rios, numa altura em que estão a ser desenvolvidos esforços para que sejam aplicadas em Angola políticas amigas do ambiente.
Disse ainda que o desenvolvimento sustentável assenta no papel relevante da inovação e do conhecimento, onde a formação e o capital humano jogam um papel preponderante. “Este factor também se baseia na igualdade de oportunidades para todos os cidadãos e na liberdade de iniciativa e no acesso e benefício dos frutos do crescimento para toda a população”, acrescentou.
Apesar da crise económica, Angola não foi muito afectada em termos de propostas de investimentos aprovadas.
JORNAL DE ANGOLA.AO-Por João de Deus

PORTUGAL:Programa do Governo deverá ser apresentado até final de Outubro, mas dispensa votação

LISBOA-O programa do Governo, que dispensa votação no Parlamento, deverá ser apresentado até ao final do Outubro, depois do Presidente da República ter nomeado o primeiro-ministro e novo executivo estar formado.

O início do processo de nomeação do primeiro-ministro terá de ser desencadeado pelo Presidente da República, que ouvirá os partidos representados na Assembleia da República.
«O primeiro-ministro é nomeado pelo Presidente da República, ouvidos os partidos representados na Assembleia da República e tendo em conta os resultados eleitorais», refere o número 1 do artigo 187.º da Constituição.
Há quatro anos, nas últimas eleições legislativas, quando Jorge Sampaio era ainda Presidente da República, os partidos com representação parlamentar foram ouvidos logo na semana seguinte às eleições.
Nas duas anteriores eleições para a Assembleia da República, em 2002 e 1999, Jorge Sampaio já tinha seguido a mesma metodologia, desencadeando o processo de nomeação do chefe do executivo na semana imediatamente a seguir às eleições.
Em 2002, quando Durão Barroso venceu as legislativas a 17 de Março após a demissão de António Guterres, os partidos foram ouvidos a 19, 20 e 21, e o primeiro-ministro foi indigitado a 21 de Março.
Quanto às eleições de 10 de Outubro de 1999 - que deram a segunda vitória consecutiva ao PS - Jorge Sampaio ouviu os partidos nos dias 12 e 13, tendo neste último dia indigitado António Guterres para o cargo de primeiro-ministro.
O chefe de Estado pode, contudo, aguardar pela conclusão do apuramento dos resultados dos dois círculos da emigração (Europa e Fora da Europa, que elegem quatro deputados), a 7 de Outubro, para começar a ouvir os partidos.
Mais tarde, com a publicação dos resultados das eleições legislativas em Diário da República, que poderá ocorrer no máximo até dia 17 de Outubro, o Presidente da República está em condições para convidar o novo primeiro-ministro a formar Governo.
Após ser nomeado pelo Presidente da República, o primeiro-ministro terá, então, dez dias para formar o seu executivo e submeter o programa do Governo «à apreciação da Assembleia da República», conforme é estabelecido no número 1 do artigo 192º da Constituição.
Segundo o número 3 do mesmo artigo, «o debate não pode exceder três dias e até ao seu encerramento pode qualquer grupo parlamentar propor a rejeição do programa ou o Governo solicitar a aprovação de um voto de confiança».
Ou seja, o programa do Governo dispensa votação e, ainda de acordo com a Constituição, a sua rejeição «exige maioria absoluta dos Deputados em efectividade de funções».
Na última legislatura, o programa do Governo de maioria socialista passou na Assembleia da República sem ser sujeito a qualquer voto de rejeição por parte da oposição e sem o executivo e o PS terem proposto qualquer voto de confiança.
Em 1995, o programa do primeiro governo de António Guterres também passou no Parlamento sem votação, mas o mesmo já não aconteceu com o seu segundo executivo em 1999, nem como os governos de coligação PSD/CDS-PP de Durão Barroso e de Pedro Santana Lopes.
Lusa / SOL .PT

ROTTERDAM:Nieuw metrostation CS in gebruik

Afgelopen maandagochtend is het nieuwe metrostation op station Rotterdam Centraal officieel in gebruik genomen.
ROTTERDAM-Wethouder Vervat kroop achter het stuur van het eerste metrostel dat hij even na half zes 's ochtends het nieuwe station in reed. Het station is uniek in Nederland vanwege het ontwerp waarin veel met lichteffecten en ruimte is gewerkt. Vanaf vandaag heeft Rotterdam er echt een visitekaartje bij. Komende jaren groeit Rotterdam uit tot de best bereikbare OV locatie van Nederland, in 2025 zullen dagelijks 330.000 reizigers gebruik zullen maken van de trein, waaronder de HSL, metro, bus of tram.
Vanaf juli volgend jaar kunnen reizigers in één keer van Rotterdam naar Den Haag Centraal rijden, want dan wordt de Erasmuslijn aangesloten op de Randstadrail. Het contrast met het oude ondergrondse station is groot. Grote perrons, metershoge daken en veel licht en ruimte beheersen de nieuwbouw. "Ben ik hier wel goed?'', was een veel gehoorde reactie. Veel reizigers waren verrast door de enorme hoeveelheid licht en de ruimte van het nieuwe station. Bij het ontwerp van het metrostation is er bewust veel rekening gehouden met sociale veiligheid, mensen moeten in Rotterdam tenslotte veilig van A naar B kunnen reizen'. Maandag is begonnen met de sloop van het uit 1968 daterende oude metrostation.
ROTTERDAM.NL

CV:FÁTIMA FIALHO APLAUDE EXPOTUR

MINDELO-A ministra da Economia, Crescimento e Competitividade, de Cabo Verde, Fátima Fialho(Foto), revela satisfação pelo sucesso alcançado com a realização, no Mindelo, da Feira do Turismo, Expotur, encerrada na noite de domingo na FIC, Laginha.
Em declarações à Agência Inforpress, a ministra reconhece que o passo foi "bastante ousado", dado com "alguma hesitação", mas com os resultados alcançados está "plenamente satisfeita".
"Vamos melhorar, aperfeiçoar e reforçar algumas vertentes nas próximas edições, com certeza, mas aquilo que se conseguiu desta vez já foi muito bom", explicou Fátima Fialho.
A atenção do público mindelense, os contactos profissionais e o estabelecimento de relações de negócios entre operadores e adesão dos jovens que estão a sair dos cursos de turismo à iniciativa, são aspectos positivos relevados pela governante.
Como aspectos a reforçar nas edições vindouras, a ministra aponta a questão da autenticidade de cada ilha, com ofertas muito específicas, próprias e autênticas, e internacionalização do evento.
"A Expotur veio para ficar e será realizada, todos os anos, rotativamente, em cada uma das ilhas", concluiu Fátima Fialho.
Da parte dos operadores, 51 dos quais nacionais e dois de Portugal, a opinião é unânime: "Para primeira experiência foi boa, há, no entanto, que limar algumas arestas no futuro".
A feira, que adoptou o lema "Experiência Autêntica", pretendeu promover Cabo Verde como destino turístico e cultural, bem como contribuir para unir os operadores do sector e outros agentes.
Para além da exposição, o certame adoptou um programa de actividades paralelas com exposições, actividades culturais, feira de profissões do turismo, gastronomia, workshops, palestras, entre outras propostas.
OJE/INFORPRESS.CV

ROTTERDAM-Opiniestuk-AGOSTINHO SANTOS

AGOSTINHO SANTOS(FOTO)
ROTTERDAM-Avanço (vooruitgang) heeft een nieuwe directrice. Dat wil zeggen dat Ivone Mendes, na vier jaar, afscheid heeft genomen van haar functie. Het is weer een “meisje uit eigen keuken” geworden. Mevrouw Beatris Rocha, is de derde achtereenvolgens vrouwelijke directrice van Avanço. In het kader van emancipatie zou je kunnen zeggen goed plan. Het is de vraag hoe Beatris Rocha (ervaring in recruiting en commerciële projectmanagement) haar stempel op deze stichting zal drukken. Ondanks het feit dat er bij stichting Avanço veel vrouwen werkzaam zijn, komt deze stichting bij veel Rotterdammers over als een gesloten mannelijke organisatie.

Beste kandidaat of “ons-kent-ons”?
Na de aanstelling van Beatris Rocha, viel op dat de sollicitatiecommissie van Avanço, steeds iemand kiest uit eigen gelederen. Ivone Mendes, vorige directrice, was bestuurslid geweest van Avanço. De huidige directrice, Beatris Rocha was bestuurslid van CABO (de jongeren afdeling van Avanco) en werkzaam als vrijwilliger bij Avanço, onder andere voor een TV project. Met andere woorden de sollicitatiecommissie bevestigt de schijn dat zij een zichtbaar voorkeur heeft voor kandidaten die bij Avanço in de keuken hebben gestaan. Ik denk zelf dat een “buitenstaander” juist vernieuwend zou kunnen zijn. Uiteraard zal men zeggen dat er geen betere of geïnteresseerde kandidaten waren. Het is ook bekend dat bij bepaalde vacatures, een advertentie voor de vorm bekend gemaakt wordt, terwijl er al vast staat wie aangenomen zal worden. Dus de vraag of Beatris Rocha de beste kandidaat, met de beste competenties, blijft vooralsnog onbeantwoord.

Hoe zit het met de neutraliteit van het bestuur van Avanço?
Volgens de gegevens van Kamer van Koophandel van 21-07-2009, zijn de twee oudste bestuursleden van Avanço, sinds 1999 lid van het bestuur. Daarnaast zijn zij beide prominenten leden van een van een politieke partij in Kaapverdië. Het is niet aan mij om de houdbaarheidsdatum van deze bestuursleden te beoordelen. Echter, ook hier wordt de schijn gewekt dat deze door gemeente Rotterdam gesubsidieerde stichting het gevaar loopt verschillende belangen te behartigen. De penningmeester van Avanço was tot kort secretaris van PAICV in Rotterdam, een zogenaamde zusterpartij van PvdA. De overige bestuursleden zijn Rotterdammers en een Hagenaar die weinig bekendheid genieten binnen de Kaapverdiaanse gemeenschap. Dan blijft de vraag: kent de gemeenschap de bestuurders van stichting Avanço? Kennen de bestuurders van Avanço de Kaapverdiaanse gemeenschap?

Meerwaarde / Bestaansrecht
Het feit dat 9 van de 10 Rotterdamers van Kaapverdische afkomst niet eens weten wie (de huidige) voorzitter is van Avanço, geeft op z’n minst stof om na te denken. Heeft de Kaapverdiaanse gemeenschap interesse in het doen en laten van Avanço? Avanço is ook niet altijd “gelukkig” met de activiteiten die zij organiseren. Bijvoorbeeld tijdens het festival van Sanjon 2009 op het Heemraadsplein, ging er wederom veel mis. De medewerkers van Avanço deden wellicht hun best om van dit festival een succes te maken, toch hebben veel mensen geklaagd over het feit dat de commercie de toon bepaalde. Bijvoorbeeld zelfs moeders met kleine kinderen, mochten niet naar binnen met een flesje water. Binnen moesten zij €2,- betalen voor een kleine flesje spa blauw. Op zondag 28 juni 2009, werd het concept van enkele jaren herhaald: veel commercie, weinig respect voor de Kaapverdiaanse traditie, politieke provocaties e.d. De organisatoren van Avanço lieten een groep optreden met de vlag die door de eerste democratisch gekozen regering van Kaapverdië vervangen c.q. verboden werd.

Dit allemaal onder toeziend oog van de voorzitter van deelgemeente Delfshaven Dhr. Carlos Gonçalves (PvdA), die ook kind aan huis is bij stichting Avanço.
Agostinho dos Santos

CV:Cabo Verde disponibiliza 84 hectares à Câmara Municipal do Sal

FOTO: ILHA DO SAL EM CABO VERDE-UNIDADE HOTELEIRA
ESPARGOS-O governo de Cabo Verde já disponibilizou 84 hectares de terrenos, à Câmara Municipal do Sal, e desse total, segundo o edil local, Jorge Figueiredo, 61 hectares estão livres para a expansão de Santa Maria, cujo mapa já foi publicado.
Perante esse facto, Jorge Figueiredo esclarece, entretanto, que para levar a cabo a efectiva expansão de Santa Maria, há que primeiro, desenvolver os planos directores urbanístico, detalhados, aprová-los em Assembleia Municipal e aguardar pela homologação do governo, sobre a matéria.
Assim, o autarca prognostica que a câmara poderá ter estes instrumentos em Janeiro de 2010, e só a partir daí, poder então disponibilizar terrenos às pessoas.
O edil revelou ainda, que foi igualmente informado dos terrenos consolidados de Espargos e Palmeira, e de mais 61 hectares, na zona de Fátima, para a construção de uma área de serviço ligado à vila turística.
Contudo, Jorge Figueiredo disse estar à espera da publicação dos respectivos mapas em B.O, para dar suporte técnico na disponibilização dos terrenos, em Espargos e Palmeira.
Instado a se pronunciar sobre o cumprimento dessa promessa do governo em "devolver os terrenos ao Sal", Figueiredo refuta, dizendo que esse é um discurso que é preciso clarificar.
"A própria Constituição diz que as riquezas e os territórios devem ser divididos de forma equilibrada, entre o Estado e o município", nota.
Reconhece, contudo, que em relação à situação dos terrenos, actualmente as coisas estão mais regulares: "mas não podemos esquecer a história. Foram dois anos à espera, e impedidos de trabalhar. Isso não pode ser esquecido", asseverou.
Questionado ainda, como se sente por não poder atribuir mil lotes de terrenos por ano, como tinha prometido, o autarca confessa-se decepcionado.
"Sinto-me absolutamente decepcionado. Mas isso era possível se, evidentemente, estivéssemos num estado de cumprimento de direito e de respeito pelas autoridades instituídas, e poder cumprir com os preceitos fundamentais para este país, sendo uma delas a questão fundiária, ou de terrenos", justificou.
Segundo Jorge Figueiredo é necessário trabalhar alguns aspectos que ainda o país não trabalhou e que condicionam, efectivamente, a correcta utilização dos espaços.
OJE/INFORPRESS.CV

UE-Brasil: Cimeira de Estocolmo aposta na cooperação com África

BRASÍLIA-A cooperação com a África marcará a III Cimeira União Europeia-Brasil, a ser realizada no dia 06, em Estocolmo, disse à Lusa o chefe da Delegação da Comissão Europeia no Brasil, embaixador João Pacheco.
Durante a cimeira, será assinado o primeiro memorando de cooperação triangular na área dos biocombustíveis, juntando o 'know how" brasileiro, os programas de ajuda da UE para África e a definição dos africanos dos países e das regiões para a implantação dos projectos.
"Interessa a África, porque é desenvolvimento e terá aberto o mercado europeu para a sua produção; interessa ao Brasil, porque ajuda a criar um mercado mundial de biocombustíveis e interessa aos europeus, porque é uma maneira prática de promover o desenvolvimento em África", afirmou Pacheco.
EXPRESSO.PT/LUSA

NEDERLAND:Vakantiehuis prins in Mozambique 'gaat door'

Prins Willem-Alexander en prinses Máxima gaan door met de bouw van een vakantievilla in Mozambique.
DEN HAAG - Prins Willem-Alexander en prinses Máxima gaan door met de bouw van een vakantievilla op het Mozambikaanse schiereiland Machangulo. Dat heeft premier Jan Peter Balkenende vrijdag gezegd. Vanuit de Tweede Kamer was kritiek geuit op het project. GroenLinks-fractieleidster Femke Halsema had schriftelijk om opheldering gevraagd na berichten dat Willem-Alexander een kritisch rapport over de leefomstandigheden van de bevolking op het schiereiland niet heeft gemeld aan de stichting die zijn belangen rondom het vakantiehuis behartigt. Balkenende stuurt de antwoorden binnenkort naar de Kamer. Op de inhoud wilde hij nog niet ingaan. ,,Het gaat door'', was het enige wat hij erover kwijt wilde.

De prins heeft de bouw van zijn vakantiehuis, met medeweten van Balkenende, in de stichting Administratiekantoor Machangulo ondergebracht. Zo kan hij enige afstand bewaren en hoeft hij zich niet rechtstreeks te bemoeien met het avontuurlijke project in het afgelegen gebied in Mozambique.
AD.NL/ANP
FOTO:ANP

HOLANDA:Sistema de saúde holandês: elogios e críticas

Hospital Dijkzigt agora baptizado ERASMUS MC- ROTERDÃO

Pela segunda vez consecutiva a Holanda foi apontada como o país europeu com o sistema de saúde mais ‘amigável para o paciente’. Segundo o Europe Health Consumer Index (EHCI), a Holanda marca pontos nas áreas de resultados médicos, direitos do paciente e medicamentos. A qualidade do sistema de saúde é, para muitos holandeses, insuficiente, mas basta olhar para além da fronteira para ver que pode ser bem pior.

O EHCI comparou 32 países na Europa e chegou à conclusão que a Holanda é o país com melhores condições, seguida pela Dinamarca, Islândia e Áustria. Os pesquisadores elogiaram o sistema de informação e a transferência eletrônica de históricos médicos de pacientes. Mas, segundo o estudo, o tempo de espera para tratamento continua muito longo na Holanda.

Reclamações
Para muitos holandeses, é incompreensível que o sistema de saúde do país esteja em primeiro lugar na pesquisa. As reclamações sobre os altos custos e longos períodos de espera são frequentes e muitos acreditam que outros países europeus têm sistemas melhores.
O Partido Socialista da Holanda (SP) engrossa o coro dos descontentes.
Segundo o parlamentar do SP, Henk van Gerven, é um mistério que o país tenha chegado ao primeiro lugar da lista: ”As pessoas querem um bom tratamento de saúde aqui na esquina. É isso o que procuram. Quando leem que a saúde na Holanda é melhor que na Polônia, elas até entendem, mas o sistema de saúde em si não fica melhor por isso”, argumenta Van Gerven. “O que percebemos é que os custos dos seguros de saúde aumentam todos os anos e que com a nova lei ficou mais difícil para os que têm renda mais baixa pagar o seguro. Vemos que o número de inadimplentes aumentou para 280 mil e este grupo continua crescendo a cada ano de 15% a 20%. E isso é o que as pessoas notam, que está cada vez mais caro e as filas de espera continuam existindo.”

Solidariedade
O SP quer um sistema de saúde baseado na solidariedade e não no mercado, como acontece agora. Os pacientes não podem ser vistos como consumidores. Segundo Van Gerven, os preços dos seguros de saúde não podem ser os mesmos para todos, mas sim cobrados de acordo com o que cada um pode pagar.

Obama
O presidente norte-americano Barack Obama também elogiou algumas vezes o sistema de saúde holandês. Em um encontro este mês com o príncipe herdeiro Willem-Alexander e sua esposa, a princesa Máxima, Obama disse que acha o sistema holandês “um bom sistema”. Mas seus opositores nos Estados Unidos apontam para as listas de espera na Holanda como exemplo de como não deve ser.
Segundo o estudo do EHCI, no quesito tempo de espera por um tratamento, a Holanda é pior até que a Albânia.
RNW-Por Sebastiaan Gottlieb

NEDERLAND:Vrouwen willen quotum topposities

200 TOPVROUWEN PLEITEN EEN QUOTUM...
Meer dan 200 topvrouwen pleiten voor een quotum voor vrouwen in topfuncties. De wettelijke regeling moet in 2014 ingaan en ervoor zorgen dat vrouwen in de toekomst minimaal 40 procent van de commissariaten en toezichthoudende functies bezetten.
De ondertekenaars van het manifest zien eigenlijk niets in een quotum, maar er is volgens hen geen andere oplossing. Het aantal vrouwen in topfuncties is ondanks alle goede voornemens nog altijd veel te laag, stellen ze.
De regeling moet gaan gelden voor publieke en semi-publieke organisaties en beursgenoteerde bedrijven.
NOS.NL

FRANÇA:24 suicídios na France Telecom em 18 meses

Didier Lombard, presidente da France Telecom, à chegada da central da empresa em Annecy-Le-Vieux
PARIS-Ontem suicidou-se mais um funcionário da France Telecom. Nos últimos 18 meses, houve 24 suicídios de funcionários da empresa em França.
Um funcionário da France Telecom atirou-se ontem de um viaduto, depois de escrever uma carta denunciando o clima profissional vivido no seio da gigante das telecomunicações francesa France Telecom. Esta morte aumenta para 24 o número de suicídios de empregados da empresa nos últimos 18 meses.
O empregado trabalhava numa central de chamadas da France Telecom em Annecy (centro-este de França). Casado e pai de dois filhos, o homem de 51 anos deixou dentro do carro uma carta dirigida à sua mulher, “evocando o sofrimento vivido no contexto profissional”, precisou à AFP o procurador Philippe Drouet.
A mulher do suicida explicou aos investigadores que “o seu marido se encontrava muito depressivo há vários meses”, acrescentou Drouet.
Desde Fevereiro de 2008 que tem havido uma vaga de suicídios na France Telecom, uma maré negra que provocou reacções emotivas na empresa e motivou a intervenção do Estado, accionista principal da empresa.
Os sindicatos reagiram com indignação ao mais recente suicídio de um quadro da empresa, denunciando as condições de trabalho na central telefónica de Annecy.
Segundo o sindicato SUD-Solidaires, o funcionário que se suicidou tinha sido transferido recentemente e “não se sentia bem” no seu novo serviço, “do qual se libertou”.
"É aterrorizante. Ele trabalhava numa secção conhecida há muito tempo por ser insuportável, havia uma verdadeira indiferença, nenhum calor humano, não se falava senão de números, os empregados eram carne para canhão”, reagiu Patrice Diochet, do sindicato CFTC.
O presidente da empresa, Didier Lombard, foi “imediatamente” ao local de trabalho do funcionário que se suicidou. O ministro do Trabalho, Xavier Darcos, pediu a Lombard que acelerasse as “negociações para a prevenção dos riscos psicossociais” no seio da empresa.
A meio de Setembro, pressionado pelo governo francês, o presidente da France Telecom tinha prometido mudar certos métodos de gestão, coordenado-se com os sindicatos para travar a “espiral infernal” de suicídios.
DN.PT/AFP

GUINÉ-CONACRI:Oposição promete derrubar governo militar de Conacri


CONAKRY-Um destacado líder da oposição na Guiné-Conacri disse à BBC que os protestos naquele país vão continuar até que seja derrubado o que chamou de "regime militar criminoso".
Ao telefone de Nova Iorque - onde se encontrava em missão de serviço -, Alpha Condé, líder da União do Povo da Guiné, o maior partido da oposição, prometeu regressar a Concacri para mobilizar o povo:
"Queremos eleições livres e democráticas, mas tendo em consideração o que se passou, agora queremos também o fim do governo militar e a sua substituição por um governo nacional que organize eleições", disse.
"Estes massacres foram planeados e ordenados pelo próprio conselheiro do presidente", acrescentou.
Alpha Conde afirmou ainda que havia consenso em Conacri entre os partidos da oposição relativamente à remoção do actual governo militar, que diz estar desacreditado:


"A oposição está unida. Todos os líderes, exceptuando eu estavam no estádio durante protesto, e todos tinham o mesmo a dizer. Queremos o fim do sistema militar e eleições transparentes. E prometemos governar juntos", afirmou.

"Ditadura militar"
Um destacado líder da oposição na Guiné-Conacri disse à BBC que os protestos naquele país vão continuar até que seja derrubado o que chamou de "regime militar criminoso".
Ao telefone de Nova Iorque - onde se encontrava em missão de serviço -, Alpha Condé, líder da União do Povo da Guiné, o maior partido da oposição, prometeu regressar a Concacri para mobilizar o povo:
"Queremos eleições livres e democráticas, mas tendo em consideração o que se passou, agora queremos também o fim do governo militar e a sua substituição por um governo nacional que organize eleições", disse.
"Estes massacres foram planeados e ordenados pelo próprio conselheiro do presidente", acrescentou.
Alpha Conde afirmou ainda que havia consenso em Conacri entre os partidos da oposição relativamente à remoção do actual governo militar, que diz estar desacreditado:
O líder do maior partido da oposição que acrescentou não desejar mais violência mas que insistiu na luta contra o que descreveu como uma "ditadura militar".
Entretanto o governo proibiu por tempo indeterminado o que chamou de agrupamentos subsersivos e declarou dois dias de luto nacional pelas vítimas da violência.
Várias organizações dos direitos humanos contabilizam agora em 157 o número de mortos e em 1,200 os feridos durante o protesto de segunda-feira, quando a polícia atirou a matar sobre cerca de 50 mil pessoas que se manifestavam na capital.
Os manifestantes protestavam contra o que pensam ser os planos do capitão Moussa Dadis Camara, que tomou o poder em Junho num golpe de estado, de se candidatar às próximas eleições presidenciais.
Também em reacção a estes acontecimentos, o ministro caboverdiano dos Negócios Estrangeiros, José Brito, falando em nome do Grupo subregional da África Ocidental, ecoou a indignação dos países da região.

Testemunhos
Entretanto continuam a chegar mais informações sobre a repressão exercida pela polícia sobre os manifestantes.
Várias testemunhas acusam a polícia de distrubuir bastonadas, golpes de baionetas e de violar sexualmente pelo menos uma mulher.
Após dispersarem os manifestantes a tiro, as forças de segurança terão perseguido a multidão pelas ruas, detendo vários membros da oposição cujo paradeiro continua incerto.
As autoridades confirmam apenas 57 mortes, que dizem ter sido na sua maioria espezinhadas pela multidão em fúria.
O capitão Camara negou qualquer conhecimento de casos de violações de mulheres, mas admitiu que alguns agentes de segurança terão perdido o controlo.
O líder militar disse a uma rádio francesa estar entristecido com os acontecimentos e continuar à espera de mais informações sobre o sucedido.
Camara acrescentou que não tinha ainda decidido se iria ou não candidatar-se à presidência, algo que tinha rejeitado quando tomou o poder após a morte do ex-presidente Lasana Conté.
As Nações Unidas, a União Africana e a CEDEAO, que estará a ponderar a imposição de sanções a Conacri, já conderam a violência aplicada pelas forças de segurança.
BBC AFRICA EM PORTUGUÊS

CHEFE DA JUNTA MILITAR NEGA TER CONTROLO SOBRE O EXÉRCITO(ANGOP)

O chefe da junta no poder na Guiné-Conakry, o capitão Moussa Dadis Camara, negou hoje, quarta-feira, em Conakruy, de ter o controlo sobre o exército, tentando minimizar a sua responsabilidade na repressão sangrenta da manifestação de segunda-feira na capital conakry-guineense.
Numa declaração divulgada hoje na rádio françesa Europe 1 sublinhou que o acontecimento deixou-lhe ultrapassado. "Neste exército, eu não controlo todas as suas actividades (...). Dizer que controlo este exército seria falsidade", declarou.
"Herdei de uma geração de meio século e de um exército, onde o soldado pode dizer "merda" a um coronel e a um general", insistiu.
As forças da ordem na Guiné foram acusadas de terem morto pelo menos 157 pessoas e de se terem entregues a actos bárbaros, aquando da repressão de uma manifestação segunda-feira em Conakry contra a eventual candidatura do chefe da junta às presidenciais de Janeiro.
O chefe da junta, que se deslocou terça-feira em dois hospitais de Conakry para visitar vários feridos, acusou a oposição de ser responsável das violências.
Paris, Washington, Londres, Dakar, a ONU, a União Europeia, a União Africana, a Comunidade Económica dos Estados da África do Oeste (CEDEAO), condenaram estas violências.
A França, antiga potência colonial, decidiu a suspensão imediata da sua cooperação militar com a Guiné e analisa o conjunto da sua ajuda bilateral após uma repressão qualificada de "selvagem e sangrenta".
A seu pedido, a UE deve reunir-se hoje, quarta-feira, "para analisar as medidas complementares (...) que poderão ser tomadas rapidamente".
A UE decidiu em finais de Julho de 2009 colocar a Guiné sob vigilância
durante dois anos e manter congelada a sua ajuda ao desenvolvimento esperando um retorno ao Estado de direito após o golpe de Estado de Dezembro último, na sequência da morte do presidente Lansana Conté que dirigiu o país durante 24 anos.
ANGOP

SAÚDE:Bruxelas propõe parceria europeia de luta contra o cancro

PARCERIA EUROPEIA DE LUTA CONTRA O CANCRO

BRUXELAS-A Comissão Europeia propõe hoje, em Bruxelas, uma Parceria Europeia de Acção contra o Cancro, que tem como objectivo apoiar os esforços dos Estados-membros no combate à doença.
No âmbito da parceria, que vigorará no período entre 2009 e 2013, será criado um quadro para identificação e partilha de informação, capacidades e conhecimentos especializados em matéria de prevenção e controlo do cancro. Por outro lado, segundo um documento de trabalho, o executivo comunitário quer que "as partes interessadas de toda a União Europeia (UE)" se empenhem num esforço colectivo. A parceria aposta na "cooperação entre uma vasta gama de intervenientes que, em conjunto, trabalhem para combater o cancro".

A Comissão Europeia sustenta que o cancro - que "atinge um número cada vez maior de pessoas e respectivas famílias" - representa "um encargo enorme para a sociedade numa Europa afectada pelo envelhecimento da população".

Segundo dados de Bruxelas, há previsões que indicam que, se se alargar o rastreio ao cancro do colo do útero a 100% da população, se obterá uma redução estimada de mais de 94% dos anos de vida perdidos e que, por cada 152 testes de Papanicolau realizados, um ano de vida poderá ser ganho. Uma prevenção eficaz pode contribuir consideravelmente para a melhoria da saúde e, por isso, o executivo comunitário sustenta que as acções de prevenção são a melhor opção financeira, defendendo uma "abordagem horizontal que consista em agir sobre os principais factores determinantes da saúde", como o estilo de vida. Cerca de um terço de todos os cancros possa ser evitado se se alterarem ou evitarem os principais factores de risco, como o tabagismo, o excesso de peso, o escasso consumo de frutas e legumes, a inactividade e o consumo de álcool.


P.S.O cancro foi a segunda causa de morte mais comum na UE em 2006, a seguir às doenças cardiovasculares, tendo sido responsável por duas em cada dez mortes nas mulheres e por três em cada dez nos homens.

RR.PT

CLIMA:Metade do mundo pode ficar sem água potável

Especialistas do clima alertam para as consequências de um aumento superior a quatro graus centígrados na temperatura global.
Que a temperatura global está e continuará a subir é já um facto. Os peritos em alterações climáticas exortam agora os Governos mundiais – com particular atenção para os que se vão reunir em Copenhaga, em Dezembro – para reduzirem desde já as emissões de gases com efeitos de estufa.
Um estudo realizado pelo Centro Hadley, do Gabinete Meteorológico do Reino Unido,conclui que, se a temperatura do planeta aumentar, em média, quatro graus, até ao final do século XXI, metade da população mundial poderá ficar sem acesso a água potável. “As pessoas dirão que é um cenário extremo – e é, mas também é um cenário provável se não forem tomadas medidas drásticas”, afirma Richard Betts, investigador daquele centro, especializado no estudo das alterações climáticas.
A investigação, encomendada pelo Ministério britânico da Energia e Alterações Climáticas, foi apresentada numa conferência que reuniu mais de 130 peritos. Ed Miliband, o autor da investigação, há semanas que alerta para o perigo de um falhanço no acordo mundial sobre a redução das emissões, em Dezembro, em Copenhaga.
Um aumento médio de quatro graus significa que as temperaturas subiriam muito mais em algumas zonas do planeta. No Ártico, por exemplo, podiam subir até aos 15,2 graus e, na África Ocidental e outras regiões do Sul, até aos dez.
Todos os modelos informáticos prevêem redução da pluviosidade até 20% nessas zonas e na América Central, bem como no Mediterrâneo e em partes da Austrália.
Noutras partes, como na Índia, por exemplo, as chuvas poderão aumentar em 20% ou mais, provocando um aumento do risco de inundações. “Todos estes impactos podem trazer enormes consequências na agricultura (alimentação), no acesso à água e na saúde em geral”, alerta Richard Betts. “Apesar disso, é possível evitar este perigoso aumento das temperaturas, cortando nas emissões de gases com efeito de estufa”, salienta.
RR.PT

USA:Obama declara Samoa americana 'zona de catástrofe'

SAMOA AMERICANA NO OCEANO PACÍFICO
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou terça-feira (29) o território americano no arquipélago de Samoa "zona de catástrofe", após um tsunami atingir a região, deixar um rastro de destruição e muitos mortos. As agências internacionais de notícias informam que as autoridades estimam que o número de vítimas fatais deverá passar de 100.
Os EUA estão disponibilizando ajuda federal, recursos de emergência e enviando equipas para o local da tragédia.
"O presidente declarou ontem a noite que ocorreu um grande desastre no território da Samoa americana, e ordenou a ajuda federal para apoiar os esforços locais e territoriais", destaca um comunicado da Casa Branca.
O diretor da Agência Norte-Americana de Gestão de Crises (FEMA, na sigla em inglês), Craig Fugate, anunciou que já está trabalhando com a Guarda Costeira dos EUA, e enviou ao arquipélago uma equipe de assistência e outra de planeamento para dar apoio e assessoramento.
Samoa alerta para novo tsunami
As autoridades de Samoa lançaram nesta quarta-feira (30) um novo alerta de tsunami, horas depois que um forte terremoto no Oceano Pacífico provocou um primeiro e devastador tsunami que atingiu o arquipélago.
GLOBO.COM-G1

ONU:OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÉNIO DA ONU


1-Erradicar a extrema pobreza e a fome
O número de pessoas em países em desenvolvimento vivendo com menos de um dólar ao dia caiu para 980 milhões em 2004, contra 1,25 bilhão em 1990. A proporção foi reduzida, mas os benefícios do crescimento econômico foram desiguais entre os países e entre regiões dentro destes países. As maiores desigualdades estão na América Latina, Caribe e África Subsaariana. Se o ritmo de progresso atual continuar, o primeiro objetivo não será cumprido: em 2015 ainda haverá 30 milhões de crianças abaixo do peso no sul da Ásia e na África.

2-Atingir o ensino básico universal
Houve progressos no aumento do número de crianças frequentando as escolas nos países em desenvolvimento. As matrículas no ensino básico cresceram de 80% em 1991 para 88% em 2005. Mesmo assim, mais de 100 milhões de crianças em idade escolar continuam fora da escola. A maioria são meninas que vivem no sul da Ásia e na África Subsaariana. Na América Latina e no Caribe, segundo o Unicef, crianças fora da escola somam 4,1 milhões.

3-Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

A desigualdade de gênero começa cedo e deixa as mulheres em desvantagem para o resto da vida. Nestes últimos sete anos, a participação feminina em trabalhos remunerados não-agrícolas cresceu pouco. Os maiores ganhos foram no sul e no oeste da Ásia e na Oceânia. No norte da África a melhora foi insignificante: Um em cinco trabalhadores nestas regiões é do sexo feminino e a proporção não muda há 15 anos.

4-Reduzir a mortalidade infantil
As taxas de mortalidade de bebês e crianças até cinco anos caíram em todo o mundo, mas o progresso foi desigual. Quase11 milhões de crianças ao redor do mundo ainda morrem todos os anos antes de completar cinco anos. A maioria por doenças evitáveis ou tratáveis: doenças respiratórias, diarréia, sarampo e malária. A mortalidade infantil é maior em países que têm serviços básicos de saúde precários.

5-Melhorar a saúde materna
Complicações na gravidez ou no parto matam mais de meio milhão de mulheres por ano e cerca de 10 milhões ficam com seqüelas. Uma em cada 16 mulheres morre durante o parto na África Subsaariana. O risco é de uma para cada 3,800 em países industrializados. Existem sinais de progresso mesmo em áreas mais críticas, com mais mulheres em idade reprodutiva ganhando acesso a cuidados pré-natais e pós-natais prestados por profissionais de saúde. Os maiores progressos verificados são em países de renda média, como o Brasil.

6-Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças
Todos os dias 6,8 mil pessoas são infectadas pelo vírus HIV e 5.,7 mil morrem em conseqüência da Aids - a maioria por falta de prevenção e tratamento. O número de novas infeccções vem diminuindo, mas o número de pessoas que vivem com a doença continua a aumentar junto com o aumento da população mundial e da maior expectativa de vida dos soropositivos. Houve avanços importantes e o monitoramento progrediu. Mesmo assim, só 28% do número estimado de pessoas que necessitam de tratamento o recebem. A malária mata um milhão de pessoas por ano, principalmente na África. Dois milhões morrem de tuberculose por ano em todo o mundo.

7-Garantir a sustentabilidade ambiental
A proporção de áreas protegidas em todo o mundo tem aumentado sistematicamente. A soma das áreas protegidas na terra e no mar já é de 20 milhões de km² (dados de 2006). O A meta de reduzir em 50% o número de pessoas sem acesso à água potável deve ser cumprida, mas a de melhorar condições em favelas e bairros pobres está progredindo lentamente.

8-Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento
Os países pobres pagam a cada dia o equivalente a US$ 100 milhões em serviço da dívida para os países ricos. Parcerias para resolver o problema da dívida, para ampliar ajuda humanitária, tornar o comércio internacional mais justo, baratear o preço de remédios, ampliar mercado de trabalho para jovens e democratizar o uso da internet, são algumas das metas.
FONTE:PNUD BRASIL

ONU:Angola reitera na ONU apoio ao processo de reconciliação na Guiné

ASSUNÇÃO DOS ANJOS-MINISTRO DAS RELAÇÕES EXTERIORES


NOVA IORQUE-O ministro das Relações Exteriores de Angola, Assunção dos Anjos, garantiu o empenho de Luanda na consolidação do processo de paz e reconciliação da Guiné-Bissau, na intervenção na 64.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.No seu discurso, segunda-feira ao final da tarde, Assunção dos Anjos reiterou o empenho de Luanda na procura da manutenção dos apoios das organizações internacionais, como a União Africana ou as Nações Unidas, O chefe da diplomacia angolana elogiou ainda os progressos registados em países como a República Democrática do Congo, Burundi, Libéria, Serra Leoa ou a Costa do Marfim, no contexto africano, mas deixou um olhar especial sobre a Guiné-Bissau.Na sua intervenção Assunção dos Anjos reiterou ainda o pedido antigo de Luanda para que as Nações Unidas procedam à reforma do Conselho de Segurança e, referindo-se à crise internacional, considerou que os países africanos foram muito afectados devido à redução do preço dos bens que o continente exporta.O governante angolano lembrou ainda que a retenção de capitais de investimento estrangeiro contribuiu para o impacto da crise económica e financeira mundial em África, sublinhando que "os esforços para a liberalização do comércio são insuficientes, mas bem-vindos".
Assunção dos Anjos elogiou ainda os esforços em curso para "reforçar as instituições de regulação económica e financeira" e o incentivo à fluidez e transparência na transferência de capitais para os países menos desenvolvidos.O ministro angolano destacou as iniciativas multilaterais que decorrem actualmente no mundo, nomeadamente a cooperação China-África, África-América do Sul ou, entre outros, a aproximação Europa-África. "Todos eles são fundamentais para o desenvolvimento dos países menos desenvolvidos, que inclui grande número de países africanos, e Angola em particular", afirmou o ministro das Relações Exteriores angolano perante a Assembleia-Geral da ONU.
Assunção dos Anjos falou do sucesso dos esforços angolanos no caminho do desenvolvimento, sublinhando que entre 2004 e 2007 o país cresceu "92 por cento em termos reais", levando esta recuperação económica em tão curto espaço de tempo a que o povo ganhasse "confiança no futuro".
O ministro angolano mostrou-se ainda preocupado com o tráfico de droga no continente africano, pedindo ao Conselho de Segurança que mantenha o apoio no combate a este crime, bem como ao contrabando de armas, pirataria e terrorismo.Segundo Assunção dos Anjos, a prevenção dos conflitos e as resoluções "não podem ser separadas das medidas de combate ao crime organizado e transnacional, à exploração ilegal de recursos e comércio à margem da lei de armas de pequeno calibre".
OJE/LUSA.PT